.cloud-label-widget-content { text-align: left; } .label-size { background: #5498C9; border-radius: 5px; display: block; float: left; margin: 10px 6px 3px 0; color: #fff; font-family: 'Arial',"Segoe UI",Arial,Tahoma,sans-serif; font-size: 11px; text-transform: uppercase; } .label-size:nth-child(1) { background: #F53477; } .label-size:nth-child(2) { background: #89C237; } .label-size:nth-child(3) { background: #44CCF2; } .label-size:nth-child(4) { background: #01ACE2; } .label-size:nth-child(5) { background: #94368E; } .label-size:nth-child(6) { background: #A51A5D; } .label-size:nth-child(7) { background: #555; } .label-size:nth-child(8) { background: #f2a261; } .label-size:nth-child(9) { background: #00ff80; } .label-size:nth-child(10) { background: #b8870b; } .label-size:nth-child(11) { background: #99cc33; } .label-size:nth-child(12) { background: #ffff00; } .label-size:nth-child(13) { background: #40dece; } .label-size:nth-child(14) { background: #ff6347; } .label-size:nth-child(15) { background: #f0e68d; } .label-size:nth-child(16) { background: #7fffd2; } .label-size:nth-child(17) { background: #7a68ed; } .label-size:nth-child(18) { background: #ff1491; } .label-size:nth-child(19) { background: #698c23; } .label-size:nth-child(20) { background: #00ff00; } .label-size a, .label-size span { display: inline-block; color: #fff !important; padding: 4px 10px; font-weight: normal; } .label-size:hover { background: #222; } .label-count { white-space: nowrap; padding-right: 3px; margin-left: -3px; background: #333; color: #fff ; } .label-size:hover .label-count, .label-size:focus+.label-count { background-color: #ff6bb5; }

9 de ago de 2012

Como abordar pessoas com deficiência física?



Ponto de Interrogação.
É certo que quase todos nós já nos deparamos com uma pessoa com deficiência que necessitasse de ajuda. No entanto, nem sempre sabemos como devemos agir.
O mais importante é não nos esquecermos que as pessoas com deficiência física são pessoas normais, mas que tiveram a infelicidade de perder alguma capacidade, como por exemplo: locomoção, visão, audição, …

No entanto o que difere entre as pessoas com deficiência física e as pessoas sem ela é o modo como desempenham as suas actividades diárias, quer em casa, quer no trabalho, ou mesmo durante o seu tempo de lazer.

São várias as causas para muitas vezes não se saber como se deve agir. O desconhecimento é uma delas, mas também o preconceito e/ou a discriminação que ainda existem e estão bastante presentes na nossa sociedade – infelizmente!

Assim, aqui ficam algumas dicas de como abordar e agir com pessoas com deficiência física:


Pessoas que se locomovam em cadeiras de rodas  
  • Converse com naturalidade, fale a respeito de todos os assuntos, mesmo aqueles em que o deficiente não pode actuar fisicamente, como algumas modalidades desportivas, danças, etc...
  • É importante saber que para uma pessoa sentada é incomodo ficar a olhar para cima por muito tempo. Assim, quando estiver a falar com uma pessoa em cadeira de rodas, se possível fiquem com os olhos ao mesmo nível.
  • Não tente ajudar o deficiente sem que ele peça ajuda – isso pode significar pena ou super protecção.
  • Nunca empurre a cadeira de rodas, sem que ele peça.
  • Nunca movimente a cadeira de rodas sem permissão da pessoa, a não ser que você tenha uma grande proximidade pessoal ou uma relação estreita.
  • Caso tenha curiosidade sobre o defeito físico, pergunte com naturalidade, sem se lamentar sobre o que gerou o defeito físico ou o que isso traz de dificuldades no dia a dia, porque, só assim, a sociedade ficará esclarecida e informada sobre o assunto, diminuindo o preconceito, a discriminação e quebrando tabus e inverdades.
  • Caso queira convidar o deficiente para visitar algum lugar, eventos sociais, restaurantes, cinemas, viagens, etc, nunca diga que o lugar é impossível para ele ir. Se conhecer o local, o acesso, explique quais são as dificuldades, facilidades e dê a sugestão de pesquisar sobre os assuntos, para que ele analise os prós e contras e decida o que fazer, sem lhe causar transtornos e às pessoas que o rodeiam.

Como agir com pessoas cegas ou com deficiência visual

 
  • Nem sempre as pessoas cegas ou com deficiência visual precisam de ajuda, mas se encontrar alguma que pareça estar em dificuldades, identifique-se e ofereça auxílio. Nunca ajude sem antes perguntar como faze-lo.
  • Caso a sua ajuda como guia seja aceite, coloque a mão da pessoa no seu cotovelo dobrado.
    É importante avisar, antecipadamente, a existência de degraus, pisos escorregadios, buracos, e outros obstáculos durante o trajecto.
  • Para ajudar a pessoa cega a sentar-se, deve guiá-la até à cadeira e colocar a mão dela sobre o encosto da cadeira, informando se esta tem braço ou não. Deixe que a pessoa se sente sozinha.
  • Na presença de uma pessoa cega fale em tom normal, a menos que a pessoa tenha deficiência auditiva, não faz sentido gritar.
  • Por mais tentador que seja acariciar um cão-guia, lembre-se de que estes cães têm a responsabilidade de guiar um dono. Desta forma o cão nunca deve ser distraído do seu dever de guia.
  • Em convívio social ou profissional, não exclua as pessoas com deficiência visual das actividades a desenvolver. Deixe que elas decidam como podem ou querem participar.
  • Quando se ausentar, não esqueça de avisar ou despedir-se do deficiente visual.
Como agir com pessoas surdas ou com deficiência auditiva 
  •  Quando quiser falar com uma pessoa surda, se ela não prestar atenção, acene ou toque-lhe no braço.
  • Fale de maneira clara, pronunciando bem as palavras. Use um tom de voz normal, a não ser que lhe peçam para falar mais alto. Gritar nunca!
  • Fale de frente com a pessoa, não de lado ou atrás.
    Faça com que a sua boca seja bem visível. Gesticular ou segurar algo em frente à boca torna impossível a leitura labial.
  • Quando falar com uma pessoa surda, tente ficar num lugar iluminado, evite ficar contra a luz.
  • Se souber alguma linguagem de sinais tente usá-la, se a pessoa tiver dificuldade em entender avisará.
  • Enquanto estiver a conversar, mantenha sempre contacto visual, se desviar o olhar a pessoa pensará que a conversa terminou.
  • Se for necessário, comunique-se através de bilhetes. O importante é comunicar.
  • Quando a pessoa surda estiver acompanhada de um intérprete, dirija-se à pessoa surda, não ao intérprete.


Um comentário:

Deixe seu recado. Obrigado por participar pois sua opinião é importante para eu continuar meu trabalho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...