.cloud-label-widget-content { text-align: left; } .label-size { background: #5498C9; border-radius: 5px; display: block; float: left; margin: 10px 6px 3px 0; color: #fff; font-family: 'Arial',"Segoe UI",Arial,Tahoma,sans-serif; font-size: 11px; text-transform: uppercase; } .label-size:nth-child(1) { background: #F53477; } .label-size:nth-child(2) { background: #89C237; } .label-size:nth-child(3) { background: #44CCF2; } .label-size:nth-child(4) { background: #01ACE2; } .label-size:nth-child(5) { background: #94368E; } .label-size:nth-child(6) { background: #A51A5D; } .label-size:nth-child(7) { background: #555; } .label-size:nth-child(8) { background: #f2a261; } .label-size:nth-child(9) { background: #00ff80; } .label-size:nth-child(10) { background: #b8870b; } .label-size:nth-child(11) { background: #99cc33; } .label-size:nth-child(12) { background: #ffff00; } .label-size:nth-child(13) { background: #40dece; } .label-size:nth-child(14) { background: #ff6347; } .label-size:nth-child(15) { background: #f0e68d; } .label-size:nth-child(16) { background: #7fffd2; } .label-size:nth-child(17) { background: #7a68ed; } .label-size:nth-child(18) { background: #ff1491; } .label-size:nth-child(19) { background: #698c23; } .label-size:nth-child(20) { background: #00ff00; } .label-size a, .label-size span { display: inline-block; color: #fff !important; padding: 4px 10px; font-weight: normal; } .label-size:hover { background: #222; } .label-count { white-space: nowrap; padding-right: 3px; margin-left: -3px; background: #333; color: #fff ; } .label-size:hover .label-count, .label-size:focus+.label-count { background-color: #ff6bb5; }

11 de mar de 2013

Danieli Haloten no Festival de Curitiba: Curitibana cega interpreta gaucha que enxerga em “A Farsa do Bom Marido”

Divulgação da peça.

Uma das atrações do Festival de Curitiba 2013 é a comédia “A Farsa do Bom Marido”, apresentada pelo Grupo Clichê de Teatro de Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba.
A farsa apresenta a história de três mulheres de descendência europeia, obcecadas em arrumar um marido: uma paranaense, uma gaucha e uma catarinense. Cansadas de esperar, elas resolvem castigar Santo Antônio até encontrarem um pretendente e acabam caindo em uma armadilha na qual o público se torna cúmplice. Durante a trama, a plateia pode ver os costumes, crendices e expressões dos estados do sul, como “puchero, vai reto toda vida ou dianho”, por exemplo.
Danieli Haloten, conhecida como Anita da novela “Caras & Bocas”da Globo, interpreta a gaucha Maria Mole, que como no texto original enxerga normalmente.
A peça tem autoria e direção de Nallu Nichele, que também dirigiu o stand-up  de Danieli Haloten. Nallu é fundadora do Grupo Clichê e há três anos, coordena o grupo de teatro da comunidade de Fazenda RioGrande, onde descobriu jovens talentos como David Gabriel, que na farsa interpreta a figura do diabo, Felipe Matozo, que personifica Santo Antônio e Aline Resende, que faz a catarinense Maria Guela. Ainda integra o elenco a atriz Dani Piekarski, interpretando a paranaense Maria do Bordado.
Sucesso que se constrói
A “Farsa do Bom Marido” estreou em 2010, em um bar de Curitiba, com David Gabriel fazendo o diabo, Nallu Nichele, Dani Piekarski e Josiane Wolpato interpretando as Marias e manipulando o santo, representado por um boneco.
O público gostou tanto da peça que ela também foi apresentada em teatros das cidades da grande Curitiba. O que levou o grupo a ir adaptando e aperfeiçoando a farsa, escrita inicialmente para ser encenada em festas juninas e outros espaços alternativos.
Com o tempo, a farsa ganhou a sonoplastia criada por Gabrielly Nichele, que passou a acompanhar a peça com seu violão; e Aline Resende, que passou a manipular o boneco do Santo Antônio. Com esses novos elementos, a peça foi apresentada na Praça Rui Barbosa, no Festival de Teatro de Curitiba de 2011.
No Festival de 2013, Nallu Nichele deixa a catarinense para Aline. E o santo ganha vida na pele do ator Felipe Matozo.
O que é farsa?
Farsa é um gênero teatral cômico, menos exigente que a alta comédia.
É uma modalidade burlesca, caracterizada por personagens e situações caricatas. Considerada um subgênero dramático, afirma-se a partir do século XIII, atingindo o seu apogeu nos séculos XIV e XV.
Serviço:
Farsa do Bom Marido
29 de março às 21 horas e 30 de março ao meio dia
Teatro Antônio Carlos Kraid – Portão Cultural
Classificação: 14 anos
Duração: 45 minutos
http://festivaldecuritiba.com.br/2013/espetaculos/ver/302/Fringe/Comedia/A_Farsa_do_Bom_Marid
Ficha técnica e elenco


  
Uma das atrações do Festival de Curitiba 2013 é a comédia “A Farsa do Bom Marido”, apresentada pelo Grupo Clichê de Teatro de Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba.

A farsa apresenta a história de três mulheres de descendência europeia, obcecadas em arrumar um marido: uma paranaense, uma gaucha e uma catarinense. Cansadas de esperar, elas resolvem castigar Santo Antônio até encontrarem um pretendente e acabam caindo em uma armadilha na qual o público se torna cúmplice. Durante a trama, a plateia pode ver os costumes, crendices e expressões dos estados do sul, como “puchero, vai reto toda vida ou dianho”, por exemplo.
Danieli Haloten, conhecida como Anita da novela “Caras & Bocas”da Globo, interpreta a gaucha Maria Mole, que como no texto original enxerga normalmente.
A peça tem autoria e direção de Nallu Nichele, que também dirigiu o stand-up  de Danieli Haloten. Nallu é fundadora do Grupo Clichê e há três anos, coordena o grupo de teatro da comunidade de Fazenda RioGrande, onde descobriu jovens talentos como David Gabriel, que na farsa interpreta a figura do diabo, Felipe Matozo, que personifica Santo Antônio e Aline Resende, que faz a catarinense Maria Guela. Ainda integra o elenco a atriz Dani Piekarski, interpretando a paranaense Maria do Bordado.
Sucesso que se constrói
A “Farsa do Bom Marido” estreou em 2010, em um bar de Curitiba, com David Gabriel fazendo o diabo, Nallu Nichele, Dani Piekarski e Josiane Wolpato interpretando as Marias e manipulando o santo, representado por um boneco.
O público gostou tanto da peça que ela também foi apresentada em teatros das cidades da grande Curitiba. O que levou o grupo a ir adaptando e aperfeiçoando a farsa, escrita inicialmente para ser encenada em festas juninas e outros espaços alternativos.
Com o tempo, a farsa ganhou a sonoplastia criada por Gabrielly Nichele, que passou a acompanhar a peça com seu violão; e Aline Resende, que passou a manipular o boneco do Santo Antônio. Com esses novos elementos, a peça foi apresentada na Praça Rui Barbosa, no Festival de Teatro de Curitiba de 2011.
No Festival de 2013, Nallu Nichele deixa a catarinense para Aline. E o santo ganha vida na pele do ator Felipe Matozo.
O que é farsa?
Farsa é um gênero teatral cômico, menos exigente que a alta comédia.
É uma modalidade burlesca, caracterizada por personagens e situações caricatas. Considerada um subgênero dramático, afirma-se a partir do século XIII, atingindo o seu apogeu nos séculos XIV e XV.
Serviço:
Farsa do Bom Marido
29 de março às 21 horas e 30 de março ao meio dia
Teatro Antônio Carlos Kraid – Portão Cultural
Classificação: 14 anos
Duração: 45 minutos
http://festivaldecuritiba.com.br/2013/espetaculos/ver/302/Fringe/Comedia/A_Farsa_do_Bom_Marid
Ficha técnica e elenco
Danieli Haloten: Maria Mole
Aline Resende: Maria Guela
Dani Piekarski: Maria do Bordado
David Gabriel: Diabo
Felipe Matozo: Santo Antônio
Autoria, direção, produção e figurino: Nallu Nichele
Cenografia: Dani Piekarski
Assessoria de imprensa: Danieli Haloten
Sonoplastia: Gabrielly Nichele

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu recado. Obrigado por participar pois sua opinião é importante para eu continuar meu trabalho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...