.cloud-label-widget-content { text-align: left; } .label-size { background: #5498C9; border-radius: 5px; display: block; float: left; margin: 10px 6px 3px 0; color: #fff; font-family: 'Arial',"Segoe UI",Arial,Tahoma,sans-serif; font-size: 11px; text-transform: uppercase; } .label-size:nth-child(1) { background: #F53477; } .label-size:nth-child(2) { background: #89C237; } .label-size:nth-child(3) { background: #44CCF2; } .label-size:nth-child(4) { background: #01ACE2; } .label-size:nth-child(5) { background: #94368E; } .label-size:nth-child(6) { background: #A51A5D; } .label-size:nth-child(7) { background: #555; } .label-size:nth-child(8) { background: #f2a261; } .label-size:nth-child(9) { background: #00ff80; } .label-size:nth-child(10) { background: #b8870b; } .label-size:nth-child(11) { background: #99cc33; } .label-size:nth-child(12) { background: #ffff00; } .label-size:nth-child(13) { background: #40dece; } .label-size:nth-child(14) { background: #ff6347; } .label-size:nth-child(15) { background: #f0e68d; } .label-size:nth-child(16) { background: #7fffd2; } .label-size:nth-child(17) { background: #7a68ed; } .label-size:nth-child(18) { background: #ff1491; } .label-size:nth-child(19) { background: #698c23; } .label-size:nth-child(20) { background: #00ff00; } .label-size a, .label-size span { display: inline-block; color: #fff !important; padding: 4px 10px; font-weight: normal; } .label-size:hover { background: #222; } .label-count { white-space: nowrap; padding-right: 3px; margin-left: -3px; background: #333; color: #fff ; } .label-size:hover .label-count, .label-size:focus+.label-count { background-color: #ff6bb5; }

8 de out de 2015

Mulheres com deficiência estabelecem demandas a serem levadas às conferências futuras


Acreditar no que você faz e ter este retorno na grande participação de mulheres com deficiência foi uma alegria pra mim.
Hoje com um ano de grupo e a frente deste trabalho ao lado de grandes mulheres me enche de esperanças que sim nós podemos mudar a realidade das mulheres com deficiência do RS.
Estamos em grande construção de objetivos e nos fortalecendo cada vez mais.
Carolina

A fim de garantir espaço e representatividade para as mulheres com deficiência nas conferências de políticas públicas para as mulheres municipais, estaduais e nacional, o Grupo Inclusivass promoveu a 1ª Conferência Livre das Mulheres com Deficiência, no dia 6 de agosto. O encontro reuniu cerca de 40 pessoas na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul (ALRS), em Porto Alegre, para debater as políticas públicas e o acesso à informação e para levantar as principais demandas das mulheres com deficiência.

O Grupo Inclusivass nasceu do interesse em criar um espaço propício à construção, pela perspectiva de gênero, das mulheres com deficiência enquanto ativistas e para pressionar os movimentos de mulheres a incorporar a sua agenda entre as prioridades. Durante o evento, a coordenadora do grupo, Carol Santos, defendeu a importância do respeito à diversidade e da segmentação nas discussões dos movimentos de mulheres. “Não podemos falar de políticas públicas para as mulheres se não incluirmos todas”, disse Carol.

No mês em que completa o primeiro ano de existência, o coletivo conquista reconhecimento com a inserção da conferência livre na agenda de encontros do segmento e pela atenção de importantes entidades à pauta levantada. Compunham a mesa, mulheres com deficiência motora, visual, auditiva e com déficit cognitivo. Estavam presentes, também, a presidenta da Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim), Vera Daisy Barcelos, representantes da Federação de Mulheres Gaúchas, da Secretaria da Segurança Pública e de diversos movimentos de mulheres e de pessoas com deficiência, o deputado federal Edegar Pretto, deputado estadual Adão Villaverde e a vereadora Séfora Mota.

Antes de abrir para o debate, a integrante da comissão organizadora da Conferência Estadual e dirigente da Rede Feminista de Saúde e Direitos Reprodutivos, Télia Negrão, destacou a importância de espaços livres para o fortalecimento de quem irá participar das discussões futuras. “Quando olho os eixos das conferências estadual e nacional, a impressão que dá é de que o espaço das mulheres com deficiências e de outros grupos não está contido”, lamentou Télia. No entanto, salientou, essa construção é um processo, que tem na Conferência Livre das Mulheres com Deficiência um passo importante.

Tendo em mãos aquela que servirá de norte à luta das mulheres com deficiência - a Carta da Mulher com Deficiência do Rio Grande do Sul, lançada este ano, as participantes salientaram a necessidade de dedicar-se fortemente, em um primeiro momento, ao combate à violência contra a mulher e atenção à saúde, com a criação e divulgação de número acessível na Rede Lilás (item 4) e com o levantamento de dados sobre violência contra as mulheres com deficiência junto aos juizados especializados (item 5). Mais necessidades foram enumeradas pelas participantes, como o atendimento prioritário à mulher com deficiência em exames ginecológicos, a ampliação da áudio-descrição na TV aberta (trazendo maior acesso a informação), dentre outras.

Houve um debate aberto e todas as propostas relevantes foram captadas e passarão a integrar um documento a ser levado às conferências realizadas em diferentes âmbitos. Para isso, a presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim), Vera Daisy Barcelos, convidou todas a somarem às demais reuniões do movimento de mulheres e a participarem da consolidação do Plano Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres.

A integrante do Inclusivass, Vitória Bernardes, avisou: “como aconteceu com o movimento das mulheres negras, chegou a nossa vez de aparecer”. 

Se você quiser fortalecer esse movimento e saber mais sobre o Grupo Inclusivass, acesse o blog:inclusivass.blogspot.com.br e curta a 

Fonte:inclusivass.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu recado. Obrigado por participar pois sua opinião é importante para eu continuar meu trabalho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...