.cloud-label-widget-content { text-align: left; } .label-size { background: #5498C9; border-radius: 5px; display: block; float: left; margin: 10px 6px 3px 0; color: #fff; font-family: 'Arial',"Segoe UI",Arial,Tahoma,sans-serif; font-size: 11px; text-transform: uppercase; } .label-size:nth-child(1) { background: #F53477; } .label-size:nth-child(2) { background: #89C237; } .label-size:nth-child(3) { background: #44CCF2; } .label-size:nth-child(4) { background: #01ACE2; } .label-size:nth-child(5) { background: #94368E; } .label-size:nth-child(6) { background: #A51A5D; } .label-size:nth-child(7) { background: #555; } .label-size:nth-child(8) { background: #f2a261; } .label-size:nth-child(9) { background: #00ff80; } .label-size:nth-child(10) { background: #b8870b; } .label-size:nth-child(11) { background: #99cc33; } .label-size:nth-child(12) { background: #ffff00; } .label-size:nth-child(13) { background: #40dece; } .label-size:nth-child(14) { background: #ff6347; } .label-size:nth-child(15) { background: #f0e68d; } .label-size:nth-child(16) { background: #7fffd2; } .label-size:nth-child(17) { background: #7a68ed; } .label-size:nth-child(18) { background: #ff1491; } .label-size:nth-child(19) { background: #698c23; } .label-size:nth-child(20) { background: #00ff00; } .label-size a, .label-size span { display: inline-block; color: #fff !important; padding: 4px 10px; font-weight: normal; } .label-size:hover { background: #222; } .label-count { white-space: nowrap; padding-right: 3px; margin-left: -3px; background: #333; color: #fff ; } .label-size:hover .label-count, .label-size:focus+.label-count { background-color: #ff6bb5; }

9 de set de 2013

Estudantes criam protótipo para auxiliar deficientes visuais no trânsito de Uberlândia.

Foto dos criadores do protótipo.

Ainda na maquete, o "Semáforo Inteligente" dá suporte na travessia de ruas que têm sinal de trânsito.

José Pedro Bezerra

Um grupo de seis estudantes que cursam o sétimo período de Engenharia Elétrica de uma faculdade em Uberlândia desenvolveu um protótipo para auxiliar os deficientes visuais no trânsito pela cidade. Ainda na maquete, o "Semáforo Inteligente" dá suporte na travessia de ruas que têm sinal de trânsito.
No projeto, um dispositivo eletrônico criado pelo grupo utiliza a tecnologia como uma aliada à acessibilidade. Ele funciona com um microprocessador que emite sinais sonoros falados, como "siga", "pare" e "atenção".
Para o estudante Raphael Oliveira Davi, um dos idealizadores do projeto, os deficientes visuais em Uberlândia têm muita dificuldade em transitar pela cidade. "Nossa intenção é melhorar a qualidade de vida dos usuários e almejamos uma parceria com a Prefeitura para que seja implantado nos semáforos," disse.
Ivaldo Pereira de Araújo, de 47 anos, que é presidente da Associação dos Deficientes Visuais de Uberlândia e tem 2% da visão desde 1985, depois de uma sinusite que atrofiou os nervos óticos, compartilha da mesma opinião de Davi, quando o assunto é a mobilidade dos deficientes visuais na cidade. "A vida dos deficientes visuais em Uberlândia não é fácil. As calçadas não são equipadas com pisos táteis que facilitam o ir e vir e o transporte público é muito falho em acessibilidade".
A massoterapeuta Francisca de Souza, que é associada da Adeviudi, também diz que é muito difícil andar pelas ruas da cidade. "Os passeios são cheios de buracos e, para pegar ônibus, por exemplo, preciso contar com a boa vontade das pessoas", afirmou.
Francisca de Souza disse ainda que algumas pessoas se afastam dela quando pede ajuda para atravessar a rua, mas, quando ela usa o transporte coletivo, os motoristas e cobradores são solícitos. "Eles sempre perguntam para onde eu vou, preocupados em qual ponto eu vou descer. Mas, dentro do ônibus, sinto falta de algo que me auxilie. Cão-guia, por exemplo, eu não conheço nenhum em Uberlândia", disse.

Presença de Cão Guia é permitida dentro de ônibus em Uberlândia

O espaço disponibilizado para deficientes dentro dos ônibus do transporte público em Uberlândia permitem a presença de um cão-guia. Porém, segundo o presidente da Adeviudi, Ivaldo Pereira de Araújo, a despesa para adquirir e manter os animais é muito alta, o que explica a quase inexistência deste tipo de animal na cidade.

Segundo dados do IBGE, existem cerca de 60 cães-guia no Brasil para aproximadamente dois milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual. E o valor é alto: para ser adquirido no exterior, o cão-guia custa R$ 30 mil.

Para tentar amenizar a problemática, em novembro do ano passado, foi criado o primeiro Centro Tecnológico de Formação de Instrutores e Treinadores de Cães-Guia do governo federal – sem fins lucrativos – localizado em Camboriu, Santa Catarina. Até 2014, estima-se criar mais seis Centros de Treinamento em outros Estados.

Fonte: Correio de Uberlândia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu recado. Obrigado por participar pois sua opinião é importante para eu continuar meu trabalho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...