.cloud-label-widget-content { text-align: left; } .label-size { background: #5498C9; border-radius: 5px; display: block; float: left; margin: 10px 6px 3px 0; color: #fff; font-family: 'Arial',"Segoe UI",Arial,Tahoma,sans-serif; font-size: 11px; text-transform: uppercase; } .label-size:nth-child(1) { background: #F53477; } .label-size:nth-child(2) { background: #89C237; } .label-size:nth-child(3) { background: #44CCF2; } .label-size:nth-child(4) { background: #01ACE2; } .label-size:nth-child(5) { background: #94368E; } .label-size:nth-child(6) { background: #A51A5D; } .label-size:nth-child(7) { background: #555; } .label-size:nth-child(8) { background: #f2a261; } .label-size:nth-child(9) { background: #00ff80; } .label-size:nth-child(10) { background: #b8870b; } .label-size:nth-child(11) { background: #99cc33; } .label-size:nth-child(12) { background: #ffff00; } .label-size:nth-child(13) { background: #40dece; } .label-size:nth-child(14) { background: #ff6347; } .label-size:nth-child(15) { background: #f0e68d; } .label-size:nth-child(16) { background: #7fffd2; } .label-size:nth-child(17) { background: #7a68ed; } .label-size:nth-child(18) { background: #ff1491; } .label-size:nth-child(19) { background: #698c23; } .label-size:nth-child(20) { background: #00ff00; } .label-size a, .label-size span { display: inline-block; color: #fff !important; padding: 4px 10px; font-weight: normal; } .label-size:hover { background: #222; } .label-count { white-space: nowrap; padding-right: 3px; margin-left: -3px; background: #333; color: #fff ; } .label-size:hover .label-count, .label-size:focus+.label-count { background-color: #ff6bb5; }

24 de nov de 2012

Jardim Botânico e a falta de Acessibilidade.

Logo de Carla Paiva.

Carla Paiva me convidou para participar do ensaio fotográfico da querida Aline Massoni e como iria fazer uma matéria com ela falando do seu projeto Retrato Eficiente nada melhor que participar de um ensaio e lá fui eu rumo ao Jardim Botânico de Porto Alegre, mas um dia antes Carla preocupada me disse que não teria como subir por ser dificil e pediu que eu esperasse ela na entrada e lá fui eu calorão sufocante que quase me vez desistir mas fui firme, desci bem perto e consegui atravessar a rua porque tinha rampa e cheguei na calçada, fui indo devagar por causa do calor a pressão vai lá no pé e nestes dias todo cuidado é pouco até que finalmente cheguei em frente ao lugar mais lindo de POA mas a decepção de ver tanto verde e mato e não ver ao chegar em um lugar tão movimentado uma rampa se quer tive que ficar em frente a entrada por que não conseguia sair do lugar por ter aquelas pedras irregulares que tornam impossivel um cadeirante se aventurar e fiquei olhando com o sol na cuca pegando e vi um funcionário e pedi ajuda, quando ia entrando não vi um lugar que eu pudesse ficar só o lugar onde ficam as bicicletas, mas o funcionário gentilmente me colocou no lugar onde eles ficam que por sinal não tinha rampa e o cordão era alto mas tudo bem o que eu queria era sair do sol escaldante e lá fiquei com os funcionários esperando as gurias chegarem e como de costume adoro puxar uma conversa perguntei se não tinha banheiro adaptado ali em baixo e a resposta já sabem: Não tem só lá em cima.
  Continuei a conversa até porque eu não conhecia o lugar e disse como é esta subida?  Vocês ajudam a subir? As respostas foram as seguintes: Nos nunca tivemos cadeirantes a pé visitando o jardim a maioria vem de carro, nem sabemos como ajudar você. Conversa vai, eu disse já revoltada claro, como pode um lugar lindo deste não ter rampa de acesso e um banheiro aqui, como que será na copa já que só se fala nela ultimamente, será que os cadeirantes de outros países não poderão visitar o local pela falta de acessibilidade, eles se me olhavam iriam falar o que, na realidade esta preocupação é de quem precisa de acesso, Aline chegou e sua mãe e continuei a conversar com ela, pouco depois chegou Carla que decidiu que ficássemos por ali mesmo e que depois dariamos um jeito de subir, bem coisa da Carla não ver algo como impossível mas sim possível.
  Elas iniciaram as fotos, eu comecei a filmar e admirava o lugar lindo até as tartarugas saíram nas fotos, depois das fotos então resolvemos nos aventurar e subir para conhecer o resto, Aline usa cadeira motorizada ficou fácil subir mas eu não, e as meninas se revezaram o mais dificil eram aquelas pedras que faziam a cadeira balançar, mas até brincamos com a situação e com a ideia da Aline coloquei minha cadeira na frente da dela para ver se dava pra aproveitar a carona dela mas não deu, e muitas rizadas demos, chegamos finalmente no lugar e tudo retinho coisa boa, Aline foi trocar o figurino e pronta para as fotos finalizamos, lá o que chama a atenção é o teatro ao ar liver com palco e os acentos feitos de tronco de árvores muito lindo, o dia passou rápido ao lado das gurias mas a certeza que nem a falta de acesso e o cansaço que eu dei neles estragou a tarde maravilhosa da gente.

As malucas uma atras da outra, mas a carona não deu certo.


Tartaruga saiu do lago e foi pra grama

Aline Massoni.

  Mas eu não esqueci ainda que aquele lugar lindo não tem acesso é só construírem um trecho liso e um funcionário ajudar, pronto resolvido o problema de acessibilidade e assim não serei a primeira pois a maioria do pessoal vai de carro, mas eu só tenho o meu que é pedalado por mim, vamos ver se esta no projeto de acessibilidade por ser um ponto turistico para a copa de 2014.
Como é dificil lidar com a visão que a sociedade tem em relação as pessoas com deficiências, nos veem como pessoas que não fazem nada mas vamos mudar esta realidade lutando por nosso direito de igualdade.

Deixo o link do ensaio:
http://www.youtube.com/watch?v=43cxpmsis6k&feature=plcp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu recado. Obrigado por participar pois sua opinião é importante para eu continuar meu trabalho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...