.cloud-label-widget-content { text-align: left; } .label-size { background: #5498C9; border-radius: 5px; display: block; float: left; margin: 10px 6px 3px 0; color: #fff; font-family: 'Arial',"Segoe UI",Arial,Tahoma,sans-serif; font-size: 11px; text-transform: uppercase; } .label-size:nth-child(1) { background: #F53477; } .label-size:nth-child(2) { background: #89C237; } .label-size:nth-child(3) { background: #44CCF2; } .label-size:nth-child(4) { background: #01ACE2; } .label-size:nth-child(5) { background: #94368E; } .label-size:nth-child(6) { background: #A51A5D; } .label-size:nth-child(7) { background: #555; } .label-size:nth-child(8) { background: #f2a261; } .label-size:nth-child(9) { background: #00ff80; } .label-size:nth-child(10) { background: #b8870b; } .label-size:nth-child(11) { background: #99cc33; } .label-size:nth-child(12) { background: #ffff00; } .label-size:nth-child(13) { background: #40dece; } .label-size:nth-child(14) { background: #ff6347; } .label-size:nth-child(15) { background: #f0e68d; } .label-size:nth-child(16) { background: #7fffd2; } .label-size:nth-child(17) { background: #7a68ed; } .label-size:nth-child(18) { background: #ff1491; } .label-size:nth-child(19) { background: #698c23; } .label-size:nth-child(20) { background: #00ff00; } .label-size a, .label-size span { display: inline-block; color: #fff !important; padding: 4px 10px; font-weight: normal; } .label-size:hover { background: #222; } .label-count { white-space: nowrap; padding-right: 3px; margin-left: -3px; background: #333; color: #fff ; } .label-size:hover .label-count, .label-size:focus+.label-count { background-color: #ff6bb5; }

28 de out de 2012

Cadeirante da Zona Sul enfrenta dificuldade de acesso à parada de ônibus .

A foto mostra a parada e as dificuldades descrita na matéria.

Aos poucos venho ganhando credibilidade da midia mas somente um jornal que acredita no direito de ir e vir e no respeito a pessoa com deficiência poderia me dar esta credibilidade e ir em busca das resposta que a anos venho tentando e não as tenho, obrigado Jornal Zona Sul por abrir este espaço e irem em busca das respostas.

Elisandra divide espaço com veículos que passam em alta velocidade
Moradora do Bairro Belém Novo reclama e mostra as irregularidades de uma obra construída na Estrada Chapéu do Sol, no Bairro Belém Novo. As novas paradas de ônibus cujo objetivo seria facilitar a vida dos cadeirantes com infra estrutura necessária, deixa a desejar.
Elisandra Carolina do Santos é cadeirante e conta ao Jornal Zona Sul a dificuldade que tem para descolar-se todos os dias para a Escola Protásio Alves onde estuda, onde também, a obra de acesso a cadeirantes foi abandonada. A aventura começa no percurso de 100 metros que precisa percorrer em meio ao movimento de uma estrada, cujo fluxo de veículos, é intenso. No retorno para casa a situação é ainda pior, pois além da iluminação precária, por não haver calçamento, divide espaço com os carros que passam em alta velocidade.
Elisandra conta ainda que o acesso à parada de ônibus construída com o fim especifico de facilitar a vida dos cadeirantes, é impossível, pois além da grande quantidade de terra e barro existentes no lugar, o ônibus, sequer consegue chegar perto da parada.
Cansada de conviver com o problema, a estudante contou a reportagem do Jornal Zona Sul que realizou contato com a Secretaria Municipal de Acessibilidade e Inclusão Social e que para a sua surpresa, foi informado que consta nos registros da EPTC e SMOV, que a obra já foi concluída. O atendente informou que iria uma equipe para averiguar o porque da obra não ter sido concluída em sua totalidade, e pediu que Elisabete retornasse a ligação nesta próxima semana, a partir desta segunda feira, 29, no caso.
Elisandra disse ainda que além das paradas serem altas, não existe corredor e nem faixa de segurança. Outro problema levantado por Elisandra foi em relação à estrutura oferecida pelos ônibus da STS, que, além de não ter estrutura para carregar dois cadeirantes no mesmo ônibus, determina aos motoristas, caso isso aconteça, deixar um na parada. Ou seja, a empresa não prioriza os direitos de ir e vir dos cadeirantes. A reportagem do Jornal Zona Sul ligou para a Prefeitura de Porto Alegre neste domingo e foi orienta da retornar a ligação nesta segunda feira, 29.
Fonte:Jornal Zona Sul

Um comentário:

  1. É mesmo. Os ônibus mais novos, depois da obrigatoriedade de sair de fábrica adaptado para deficientes, só têm espaço para apenas UM cadeirante ser transportado! É uma barbaridade! Eu me lembro que, nos primeiros ônibus adaptados de Porto Alegre, da Carris - comprados lá em 1996 -, chegava a haver CINCO espaços para cadeirantes! Número considerado excessivo por boa parte dos passageiros, em função de retirar espaço em que poderia haver assentos para estes.

    ResponderExcluir

Deixe seu recado. Obrigado por participar pois sua opinião é importante para eu continuar meu trabalho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...